Carta por ocasião da Páscoa




Brasília, 07 de Abril de 2015

Aleluia! Cristo ressuscitou verdadeiramente! Aleluia!

Amados irmãos, que a paz e a graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja conosco!
Há tanta alegria em cantar: Aleluia e Glória a Deus! Jesus Ressuscitou! Venceu a morte e nos libertou! Devemos entoar cânticos de louvor pela salvação dada a cada um de nós, sem termos merecimento nenhum, através da graça de sermos amados por Deus até o extremo. O Senhor ressurgiu e demonstra uma vida nova. “Como Cristo morreu, morremos para o pecado; como Cristo ressuscitou, podemos caminhar em novidade de vida. Cristo ressuscitou para nossa justificação, isto é, para causá-la, e não só para mostrá-la.”(Raniero Cantalamessa no livro O Mistério da Páscoa). O Senhor dá e mostra a vida nova, não de forma totalmente “gratuita”, mas quis ter a nossa colaboração. Uma vez escutei que mesmo a salvação sendo individual, precisamos dos outros para alcançá-la, não como objetos, mas como auxílio mútuo. O que dificulta nessa busca são os nossos pecados.

A conversão é a mudança do caminho do pecado para o caminho do Ressuscitado, e esse trajeto é Pascoa, é vida nova, é alegria verdadeira. Não foi à toa que Jesus disse que há maior alegria no céu por um só pecador que se converte (cf. Lc 15,7). Aprender com Jesus, colaborar com Ele, converter o coração, tudo isso me faz feliz porque me torno amigo de Jesus. A conversão é um percurso longo com Jesus, onde Ele, vivo e ressuscitado, caminha conosco querendo nos escutar nas nossas aflições, sofrimentos e angústias. O Ressuscitado se apresenta nas Escrituras e na Eucaristia, e nos explica Seus mistérios. Às vezes, precisa puxar a nossa orelha para que não voltemos à vida velha. Nós somos os discípulos de Emaús (cf. Lc 24,13-35) que vivem querendo voltar atrás, mas o Senhor toma a iniciativa de nos alcançar e se apresentar vivo e ressuscitado. Foi-nos dito no Renasem da Ressurreição que quem recebeu o Batismo no Espírito não volta atrás, não quer mais a vida velha, que o homem velho foi crucificado com Cristo!

Com a crucificação do homem velho, temos vida nova: a vida no Espírito. “Se vivemos pelo Espírito, andemos também de acordo com o Espírito” (Gl 5,25). Viver no Espírito é carregar a cruz do reconhecimento das próprias misérias, e mesmo se reconhecendo incapaz, deixar-se conduzir pelo mesmo Espírito. É cruz porque dói reconhecer os erros, dói perceber-se como um invejoso dos dons dos irmãos; é doloroso reconhecer-se no fariseu e não no publicano (cf. Lc 18,9-14); é triste ter o desejo de buscar as coisas do alto em primeiro lugar e se deparar com a vaidade e outros desejos que não condizem com o plano de Deus; é vergonhoso dizer uma coisa e viver outra. Pedro foi um exemplo dessa incongruência, pois após a oração dos Salmos (como nós seminaristas) desejou com todo o coração morrer com Jesus e nunca negá-Lo, e a atitude tomada foi contrária a esta (cf. Mt 26,30-35.69-75). Muitos de nós ainda não tem dimensão da Cruz. Primeiramente, porque é uma experiência particular, pois cada um tem a sua para carregar; segundo, porque conheceremos a Cruz à medida que nos deixarmos ser tocados pelo Crucificado. As nossas chagas devem ser vistas por Jesus, para isso é necessária a abertura do coração para Ele. O Senhor sabe o que temos no coração, mas Ele fica à espera, pois só entra e senta à mesa conosco se abrirmos a porta (cf. Ap 3,20).

Eu estou vivendo essa experiência durante esses tempos… A partir do momento que disse ao Senhor que meu desejo era fazer a vontade d’Ele, em resposta fui "iluminado" pelo Senhor, ou seja, comecei a identificar os meus maiores defeitos. Nada fica escondido diante do Senhor. A cada momento percebo o quanto sou indigno de ter sido chamado pelo Senhor à vocação sacerdotal, e também por ter me colocado à frente desse ministério. Reconhecendo minhas fraquezas, percebo que nem sempre consigo me dedicar suficientemente para corresponder ao chamado. Todo dia preciso ressuscitar, e para ressuscitar é necessário morrer: “Se o grão de trigo, caído na terra, não morrer, fica só; se morrer, produz muito fruto” (Jo 12,24). Mas quão é difícil morrer para a minha vontade, morrer para a vida velha, morrer para alcançar a vida nova! Digo que esse está sendo um tempo de conhecer o Senhor e de autoconhecimento.

O que me alegra é que o Senhor continua a chamar: “vou fazer de ti a luz das nações, para propagar minha salvação até os confins do mundo” (Is 49,6b). O Senhor confirma o chamado a cada Missa, a cada pastoral, a cada semestre, a cada Quinta-Feira Santa. Conhecendo mais e mais Jesus, teremos a graça de, sempre com mais veemência e intimidade, como Maria Madalena, anunciar a todos os cantos: “Eu vi o Senhor!” (Jo 20,18). Ela não só deu uma notícia, mas anunciou alegremente que encontrou o “Rabuni”, o “Meu Mestre”. E cada um de nós é chamado a anunciar como ela: "Eu vi o Senhor"!, vi Aquele que me livrou do pecado, Aquele que me deu vida nova, Aquele que me chamou a seguir de forma livre e verdadeicá, Aquele que venceu a morte por mim e por todos!

Por isso, em nome de Jesus Ressuscitado, peço que não desistam! O Senhor nos chama à santidade e para isso precisamos nos levantar! Como nos diz São João Paulo II: “Santo não é aquele que não cai, santo é aquele que mesmo caindo não desiste de levantar”. Peça a vida nova! Peça a ressurreição! Peçamos e confiemos no Senhor e em Suas promessas, pois quando promete, cumpre: “eis que vou fazer uma obra nova, a qual já surge: não a vedes?” (Is 43,19). A obra nova já começou! “Reanima, pois, o teu zelo e arrepende-te” (Ap 3,19b).

Enfim, ficou claro que, como a música-tema do Renasem deste ano, é necessário ser “Renasem” e renascer todos os dias, renovando o sim. O Senhor te chama HOJE a ser santo. O ser padre é depois. Primeiramente, busque fazer a vontade de Deus hoje, e amanhã e depois, e a cada dia. Assim, ressuscitando com Jesus, o fraco confundirá os fortes, não por suas capacidades, mas por deixar que o Senhor aja por meio dele de forma cada vez mais livre e doada.

Que Nossa Senhora Aparecida possa nos dar a graça da perseverança em estar com o Senhor, escolhendo a melhor parte, a fim de sermos instrumentos cada vez mais afiados nas mãos d’Ele.

Fraternalmente,


Thaisson da Silva Santarém
Seminarista da Arquidiocese de Brasília
Coordenador Nacional do Ministério para Seminaristas – RCC Brasil

Intercessão Profética

Rio Bonito, 12 de Março de 2015.
Amados irmãos, Veni Sancte Spiritus!
Anuncio-vos uma grande alegria. Que hoje é o dia da Graça para nós! O céu está aberto a nosso favor! Pois hoje celebramos um ano e dois meses que ofertamos a Deus, o nosso irmão Luiz Gustavo, dia em que ele próprio se ofertou a Deus. “Me sacrifico por causa de outros por um bem maior”. Dia em que Deus aceitou a nossa oferta, a oferta do Luiz e a transformou em uma grande Colheita (Pentecostes)
Sim irmão, como rezava a beata Elena Guerra, à apóstola do Espírito Santo, também somos convidados a rezar: “Pentecostes é hoje!” A colheita é hoje! Neste dia, quis Deus inaugurar para todo Ministério para Seminaristas da RCC Brasil, uma Nova Primavera. Tempo de Novos Frutos e de Novas Colheitas. Tempo em que o Senhor, escutou a oração dos Bispos em Aparecida: “Precisamos de um Novo Pentecostes.” Escutou a oração da venerável Conchita: “dai-nos sacerdotes santos pelo Espírito Santo.”
Eis que Pentecostes chegou, o Céu está aberto! A vida de Deus Se derrama em nossas almas forjando-nos e configura-nos a Cristo. Por isso convidamos a você coordenador Nacional, a você coordenador Estadual e a todos de nosso Ministério para Seminaristas que se dediquem em oração pelo nosso Ministério. “O Espírito e a esposa dizem: Vem! Aquele que ouve também diga: Vem!” (Ap 22, 17)
A cada Mês, iremos no dia 12, elevar um grande clamor ao Espírito Santo, pelo nosso Ministério, por toda Igreja. Convidamos você a fazer neste dia, uma intercessão profética, pois “o Senhor não faz nada sem revelar seus segredos para seus servos, os profetas.” (Am 3,7) Coloquemo-nos na presença de Deus, da maneira em que Ele nos inspirar e segundo as nossas possibilidades. Escutemos a Ele e a medida de nossa escuta, respondemos, com a nossa oração de intercessão.
Assim, propomos na certeza, que este dia será para nós um dia de unidade e santidade, dia de alegria e de festa, pois um dos nossos foi ofertado. Dia de escuta e clamor. Por isso una-se a nós, e deixemos Deus ser Deus, em nosso Ministério, em nossas casas formativas, na RCC Brasil e dentro de cada um de nós, pois como disse o Papa Francisco: “Ele é o nosso Chefe!”
Unidos pelo “reinado do Espírito nas almas sacerdotais!” (Venerável Conchita)
Teu servo e irmão menor,

Sem. André Luiz, FSC
Coordenador da Comissão Nacional de Intercessão
Ministério para Seminaristas - RCC Brasil


VOCARE - Episódio 01

Amados irmãos, Graça e Paz da parte de Nosso Senhor Jesus Cristo!
Somos convidados a cada dia anunciar o Cristo fazendo com que sua palavra ressoe em todo o mundo. Atendendo a esse chamado o Ministério para Seminaristas com alegria vem apresentar a Web Série “VOCARE”.
A cada novo episódio seremos convidados a ouvir a Palavra e refletir sobre nossa realidade nas casas de formação espalhadas por todo o Brasil e assim reinflamar em nós o chamado inicial feito pelo próprio Cristo.
Divididos de forma mensal, os episódios serão alternados entre cada um dos estados de nosso país levando assim a Palavra aos diversos seminários existentes. Queremos anunciar o Cristo e, com Ele, buscarmos ainda mais o caminho de santidade!
Em nosso primeiro episódio contamos com a participação do Ministério para Seminaristas do estado de Minas Gerais representado pelo coordenador estadual Fernando Augusto (Arquidiocese de Juiz de Fora) e o representante da comissão para comunicação do estado de Minas Gerais Rafael Nascimento (Arquidiocese de Juiz de Fora) que refletem sobre o tempo quaresmal.
Que esses vídeos possam servir de canal para a boa nova do Cristo em nossas casas de formação, mas também entre tantos que sentem o chamado do Senhor a servir e servir em santidade!
Grande abraço, que Deus nos abençoe sempre!
Unidos pelo Avivamento


Edson José Ribeiro Ferreira
Comissão para Comunicação – Ministério para Seminaristas


Deixemo-nos guiar pelo Espírito no deserto



Deixemo-nos guiar pelo Espírito no deserto

Brasília, 18 de Fevereiro de 2015.

Caros irmãos, a Paz e a Graça da parte de nosso Senhor Jesus Cristo!
Escutamos e iremos escutar muito durante esse ano: “Se vivemos pelo Espírito, andemos de acordo com o Espírito” (Gl 5,25), não é? Se perguntarmos para qualquer carismático o que vem a ser “viver no Espírito”? Talvez saiba dizer muitas coisas. Contudo, para dizer sobre “andar no Espírito” não é tão simples, porque devemos primeiro saber “onde andaremos” ou “onde estamos andando”.
Eis que o Senhor nos convida a entrar no tempo litúrgico da Quaresma. Eis o “onde” devemos andar HOJE! Não pensemos que estaremos sempre na mesma estrada. A cada momento percorremos estradas cada vez mais diferentes. Mas a estrada que o Senhor nos indica HOJE para andar é a Quaresma.
Enquanto o nosso núcleo rezava segunda (16/02), o Senhor nos deu a Palavra de Mc 1,9-15. Está certo que essa Palavra-tema é para o nosso Grupo de Oração (São Miguel Arcanjo) – que se reunirá, pela primeira vez esse ano, amanhã (19/02) -, mas o Senhor me dava o discernimento que é um convite para todos nós. Não simplesmente entrar na Quaresma como todos os anos, com uma passagem bíblica “clichê” desse tempo litúrgico, mas eu, em nome do Ministério para Seminaristas, convido-vos a lembrar o tema da RCC para esse ano e fazer uma ligação com o Batismo e a Tentação de Jesus.
Nosso Senhor recebe o Espírito Santo. O Espírito o impele a ir ao deserto. Nos quarenta dias de JEJUM e ESCUTA, Jesus é tentado, mas é servido pelos anjos. Depois sai a anunciar o Evangelho dizendo que completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo, indicando o povo a fazer penitência e crer no Evangelho (utilizo aqui a tradução da Bíblia Ave Maria).
Grifei acima as palavras Jejum e Escuta, pois é o pedido que o Senhor faz a nós nessa Quaresma. Jejum como algo mais do que sabido por nós. Mas a Escuta é algo que desde muito tempo vem sendo dito na RCC, principalmente nos últimos tempos, e podemos, nessa reflexão quaresmal, perceber dois tipos: na Palavra e na Eucaristia. Fico maravilhado com as formas que o Senhor nos deixou para escutá-Lo e encontrá-Lo vivo e ressuscitado! O mesmo Jesus que morreu e ressuscitou a cerca de dois mil anos atrás, é o mesmo Jesus que se encontra na Palavra e na Eucaristia. Escutamos o Senhor na Palavra proclamada na Santa Missa sentindo o coração arder como os discípulos de Emaús (Lc 24,25-27.31-32), e O vemos e reconhecemos na Eucaristia (v.30-31); escutamos Jesus na Lectio Divina e O vemos no prolongamento visível da Missa que é a Adoração Eucarística (cf. Sacramentum Caritatis, nºs. 66-67). E que grande maravilha esse dom de encontrar Jesus tão próximo de nós em nossos seminários! Entretanto, Jesus Ressuscitado se encontra em outros lugares disposto a ser VISTO e ESCUTADO, lugares tais que nos obrigam a quebrar nossos “esquemas” e sair da nossa “zona de conforto”.
Para encontrarmos o Senhor, precisamos vê-Lo primeiramente na Palavra de Mt 25,31-46, que diz exatamente sobre o “critério” ou o “crivo” que passaremos no Juízo Final para recebermos a vida eterna ou o castigo eterno. O Ressuscitado se dispõe a ser encontrado também no pobre, no sofredor, no doente, naquele que precisa ser OUVIDO, VISTO, ACOLHIDO, AMADO! Mas como é que consigo quebrar-me? Como consigo sair de mim? Como consigo sair dos meus confortos e ir até os que sofrem? É necessário um CORAÇÃO ADORADOR!
O que tem a ver: Adoração com Caridade com os pobres?
Pe. Antônio José, do RJ, dizia, lá na Reunião do Conselho Nacional da RCC (22/01), que a palavra “adoração” na Bíblia tem alguns significados: RENDIÇÃO, SUBMISSÃO, COLOCAR-SE À DISPOSIÇÃO, SERVIR DEDICADAMENTE, RECONHECER O VALOR, GRATIDÃO. Não é necessário pensar muito sobre esses significados para ver que adoração é também ato de AMAR o RESSUSCITADO. Para isso, precisamos pedir ao Senhor que arranque nosso coração apegado às comodidades e nos dê um novo coração (Ez 36,26), um CORAÇÃO MISERICORDIOSO.
O Papa Francisco, em sua mensagem para a Quaresma desse ano de 2015, nos ensina o que é ter esse coração misericordioso: “Ter um coração misericordioso não significa ter um coração débil. Quem quer ser misericordioso precisa de um coração forte, firme, fechado ao tentador mas aberto a Deus; um coração que se deixe impregnar pelo Espírito e levar pelos caminhos do amor que conduzem aos irmãos e irmãs; no fundo, um coração pobre, isto é, que conhece suas limitações e se gasta pelo outro. Por isso, amados irmãos e irmãs, nesta Quaresma desejo rezar convosco a Cristo: ‘Fac cor nostrum secundum cor tuum – Fazei o nosso coração semelhante ao vosso’”. E ainda: “Amados irmãos e irmãs, como desejo que os lugares onde a Igreja se manifesta, particularmente as nossas paróquias e as nossas comunidades, se tornem ilhas de misericórdia no meio do mar da indiferença!”.
Então, irmãos, peçamos ao Senhor que é VIVO E RESSUSCITADO que nos dê nessa Quaresma a graça de um coração misericordioso para andarmos com o Espírito pelo deserto, adorando o Senhor na Palavra e na Eucaristia, mas também nos irmãos mais pobres. Esse caminhar de conversão faz de nós oferta, tornamo-nos cinzas, tornamo-nos pó. Não deixemos que a chama no altar do sacrifício se apague quando as cinzas forem retiradas, pois o fogo jamais deve ser apagado (cf. Lv 6,1-6), ou seja, a presença do Espírito é o que nos garante passar pelo deserto até o fim, fazendo-nos ter compaixão, sofrer com o outro, sentir até a fome e a sede de Jesus no irmão pobre.
Que a Virgem Aparecida, padroeira do Brasil, possa interceder a Jesus para que Ele nos dê o Seu coração.
Abraço fraterno!


Thaisson da Silva Santarém
Seminarista da Arquidiocese de Brasília
Coordenador Nacional do Ministério para Seminaristas – RCC Brasil

Carta Circular - Fevereiro 2015



Brasília, 02 de Fevereiro de 2015

Caríssimo irmão, a Paz e a Graça da parte de nosso Senhor Jesus Cristo!

Cristo ressuscitou! Aleluia!
Nós adiantamos a alegria pascal esse ano! Vimos e demos testemunho que temos um irmão ressuscitado e intercedendo por nós junto a Deus – Luiz Gustavo Eccel –, e nossa alegria se completa pela ressurreição de nossas vocações nesse 35º RENASEM. Comigo aconteceu essa ressurreição! Vivi como muitos o ano passado como um tempo de Cruz, onde perdi tudo, até as motivações vocacionais. Mas fora tudo providência de Deus que queria que todas as minhas construções da carne e de esforço humano fossem ao chão para que a obra fosse construída a partir do Espírito.
“Sois assim tão levianos? Depois de terdes começado pelo Espírito, quereis agora acabar pela carne? (Gl 3,3), é necessário perder para ganhar!”, foi o que o Senhor nos exortou em nosso Despertar para o RENASEM, em Brasília. "Gl 5,25)emos de acordo com o ESpRCC: "ir do Espas as minhas construçor"nda obedi E isso é o que o Senhor pede a toda a RCC com a moção para esse ano: “Se vivemos pelo Espírito, andemos de acordo com o Espírito” (Gl 5,25). Não estamos sendo exortados a simplesmente “dar testemunho”, até porque dar testemunho não significa se mostrar aos outros, dizendo o que EU fiz ou o que EU não fiz, mas é um ato de esvaziamento através do qual reconhecemos as nossas misérias e a ação misericordiosa de Deus para conosco, onde reconhecemos o cumprimento do Evangelho em nossas vidas, atualização da Palavra em nós, obra totalmente de autoria divina, nenhum mérito nosso.
E que mérito de Deus em nossas vidas e no nosso Ministério para Seminaristas! O Senhor escolheu o menos capacitado para estar à frente deste Ministério que é obra de Deus, um servo pecador que começou a se dispor a ser moldado pelo Senhor. Como a surpresa da escolha de Davi (1Sm 16,4-13) ante seus irmãos guerreiros, recebi a surpresa de tomar à frente não por escolha humana ou por virtudes, mas pelo amor que o Senhor infundiu em mim por esta obra. E a promessa feita a mim não foi as glórias das vitórias de Davi, mas a advertência do zelo de pastor para com as ovelhas confiadas: “Davi deveria estar junto do seu povo na batalha. Não estava no lugar certo. Por isso perdeu o
 Pentecostes, perdeu a unção. Estar no lugar certo é estar ao lado do Senhor. Nosso primeiro chamado é estar com o Senhor e não fazer pelo Senhor” (Pe. Gilson).
Não tenho medo da missão, pois quem recebe o Espírito não tem medo, mas sim a ousadia no Espírito; além da coragem do Espírito o que me acalma é o fato de saber que não estou sozinho, somos uma grande família RENASEM que se une na oração e na partilha. Por isso não temo e sei que com a proteção da Virgem Maria e a intercessão poderosa da Beata Elena Guerra, alcançaremos juntos a vontade de Deus.
Como nos disse Dom Azcona, não podemos voltar ao homem velho após a Ressurreição, após receber o Batismo no Espírito. O homem velho já foi crucificado! Devemos andar como libertos das ações da carne, e isso é viver no Espírito! Viver no Espírito é amizade com o Espírito, é relacionamento de adoração, isso faz com que a nossa prepotência seja vencida pela humildade de reconhecê-Lo não como hóspede, como alguém que só reside, mas quem preside a nossa vida, quem governa tudo.
Irmão, sejamos RENASEM todos os dias em nossas casas de formação! Oração e Partilha é o que nos abre à condução do Espírito. Clamemos todos os dias uma nova efusão do Espírito Santo para que nossos vasos de barro não fiquem vazios nos estudos, na pastoral, na convivência; sem o Espírito não somos nada, não podemos fazer nada, nem falar “Senhor” podemos sem a força do Espírito. E recebemos o Espírito por meio da Virgem Maria, pois Ela intercede para que o Pentecostes continue acontecendo em nossos Cenáculos, em nossos grupos de oração; e também porque Ela nos ensina a humildade de deixar-se conduzir pelo Espírito e andar de acordo com Ele.
Que Nossa Senhora Aparecida, Mãe do nosso país, e o nosso intercessor e servo do Espírito Santo Luiz Gustavo possam nos ajudar a viver este tempo com o Ressuscitado, tempo de adoração, tempo de preparação para o Avivamento.
Um abraço fraterno de seu irmão em Cristo e que a graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja com vosso espírito! Amém.

Thaisson da Silva Santarém
Seminarista da Arquidiocese de Brasília

Coordenador Nacional do Ministério para Seminaristas - RCC Brasil

Ministério para Seminaristas marca presença no ENF 2015



Entre os dias 21 e 25 de Janeiro na cidade de Aparecida, realizou-se mais uma edição do Encontro Nacional de Formação (ENF) da Renovação Carismática Católica. Com dias de oração, louvor, adoração e formação o ENF contou com mais de nove mil participantes neste ano.






No dia 21 ocorreu a missa de abertura do ENF 2015 presidida pelo  assessor eclesiástico da RCC do Brasil e arcebispo de Belém/PA Dom Alberto Taveira que convidou a todos os presentes a "entrarem nesse ENF com coração e ouvidos de discipulos!"







Dando continuidade ao evento o segundo dia foi dedicado a um convite intenso a voltarmos à essência da RCC, sermos carismáticos de fato e propagar a cultura de Pentecostes como bem frisou Michelle Moran, presidente do ICCRS. 













O Workshop do Ministério para Seminaristas contou com a presença de cerca de 30 seminaristas que puderam juntos partilhar um pouco da experiencia vocacional de cada um. Contamos também com a presença de Dom Pedro Brito, Arcebispo de Palmas/TO e  Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da CNBB. Dom Pedro dirigiu a cada um dos presentes uma bela reflexão acerca do chamado vocacional e da simplicidade como Deus age através de cada um daqueles que são seus. Por fim utilizou-se de orientações aos seminaristas dadas pelo Papa Francisco para pensarmos juntos o futuro da Igreja no Brasil.


O terceiro dia do ENF 2015 teve seu inicio com a Santa Missa presidida por Monsenhor Jonas Abib. Em sua homilia, Monsenhor Jonas refletiu acerca do chamado vocacional dizendo que "Ele te chamou pelo nome, assim como chamou cada um dos apóstolos. Seu ministério é um desígnio de Deus, com todo o peso da palavra desígnio".



No segundo dia de Workshop tivemos a presença de mais seminaristas e foi dada continuidade as partilhas vocacionais, seguida de momentos de oração por todos aqueles que ingressavam nos seminários este ano. Em um segundo momento os seminaristas se uniram aos sacerdotes presentes para uma reflexão sobre a "fraternidade sacerdotal" conduzida pela Pe. Eduardo Braga e Silva (Pe. Dudu).

Durante todo o evento os seminaristas estiveram a frente das celebrações liturgicas, auxiliando em seu preparo e estando a serviço conforme necessário. O ENF 2015 marcou a cada um dos seminaristas presentes como tempo do novo de Deus, que nos convida a vivermos e caminharmos conforme o Espírito























Ministério para Seminaristas elege nova Coordenação Nacional

Confira nova Coordenação Nacional do Ministério para Seminaristas:

Seminarista Thaisson Santarém, Arquidiocese de Brasília/DF – Coordenador
Seminarista Rodrigo Ribas, Diocese de Ponta Grossa/PR – Secretário
Seminarista Walter Lima, Arquidiocese de Olinda e Recife/PE – Tesoureiro
Seminarista Anderson Jorge, Arquidiocese de Brasília/DF – Tesoureiro

Comissões:
Seminarista André Oliveira, Fraternidade Sacerdotal do Cenáculo– Intercessão
Seminarista Edson Ribeiro, Diocese de Leopoldina/MG – Comunicação
Seminarista Alexandre Monteiro, Diocese de Bragança Paulista/SP – Música
Seminarista Charles Jader, Comunidade Canção Nova – Novas Comunidades e Religiosos
Seminarista Washington Vieira de Oliveira, Arquidiocese de Fortaleza/CE - Liturgia
Seminarista Adeilton Ferreira dos Santos, Diocese de Porto Nacional/TO – Missão
Pe. Edilvan Nascimento, Arquidiocese de Aracaju/SE – Unidade com os Sacerdotes

Unidades regionais:
Seminarista Walter Lima, Arquidiocese de Olinda e Recife/PE - Nordeste
Seminarista Léo Rezende, Arquidiocese de Campo Grande/MS - Centro-Oeste
Seminarista Eduardo Pereira Araujo, Arquidiocese de Belo Horizonte/MG - Sudeste
Sul - Não definido
Norte - Não definido