Mensagem de Pentecostes

“Eis que vou fazer com que sejais penetrados pelo Espírito e vivereis” (Ez 37, 5b)

Caríssimo irmão seminarista,

O Espírito de Deus restaura e anima todo o homem que se deixa convencer-se por esse sopro extraordinário. Quando no batismo recebemos o Espírito Santo uma ação regeneradora nos penetra, pondo em nós o princípio de renovação interior que habilita-nos a observância fiel e caridosa à Palavra de Deus.

Neste domingo que celebramos a Solenidade de Pentecostes, a Igreja mergulha no mistério profundo do derramamento do Espírito, isto é, o evento da efusão dado em Jerusalém sobre os apóstolos e Maria, a mãe de Jesus, hoje o atualizamos, quando pedimos que os dons do Espírito Santo venha nos fecundar, nos preencher.

O curioso, é saber que, o cenário no qual se dar o cenáculo é marcado pelo medo que estava incutido no coração dos discípulos, devido as perseguições dos judeus. Não obstante, nos dias atuais, quantas vezes, muitos de nós seminaristas, somos invadidos e nos deixamos levar pelo medo que rouba-nos a coragem de testemunhar e anunciar a Verdade: libertação e Salvação do ser humano (Cf. Jo 8, 32). Com a profusão do Espírito Santo aqueles que estavam reunidos numa casa as portas fechadas, ficaram cheios do Espírito e começaram a falar sem medo (Cf. At 2, 4). Meu irmão, Jesus Cristo é verdadeiramente o Senhor e quem nos revela é o próprio Espírito Santo. (Cf. 1Cor 12, 3b). Não tenhamos medo, pois, de nos “deixar conduzir pelo Espírito” (Gl 5, 16), porque graças a ação desse Espírito é que somos livres em Cristo Jesus.
O efeito de Pentecostes na vida dos cristãos não dispersa, mas reúne; não confunde, mas esclarece as nações; não afugenta, mas atrai todos para o Cristo Senhor. Os cristãos batizados, selados no Espírito Santo, devemos pregar e falar a linguagem da Unidade e do Amor que nos faz irmãos, num só coração e numa só alma; membros do Corpo Místico de Jesus Cristo. O Pentecostes deve restaurar em cada um de nós seminarista, a alegria de ser vocacionado de Deus, escolhido e eleito para servir a Igreja por amor a Cristo; sendo Ele o ápice da vida consagrada. Aqui recordo as palavras do Pe. Eduardo Braga (1)  citando o Papa Emérito Bento XVI quando se dirigiu aos párocos de Roma na Lectio Divina em março de 2011: “... o Espírito Santo nos constitui; ou seja, o sacerdócio não é uma realidade na qual se encontra um trabalho, uma profissão útil, bonita, agradável e que se escolhe. Não! Somos constituídos pelo Espírito Santo. Só Deus pode escolher os seus sacerdotes e, se somos escolhidos, somos escolhidos por Ele”.

Amado irmão seminarista, o meu desejo é que Pentecostes seja uma força animadora para as nossas vocações. Certo de que, se abrirmo-nos de coração sincero à ação do Espírito Santo seremos curados e ungidos e nos tornaremos apóstolos do Espírito, vivamos hoje novamente um Pentecostes renovado para a Igreja. Entusiasmados em viver e proclamar com alegria a Palavra de Deus, sejamos propagadores da Cultura de Pentecostes, no nosso seminário, na nossa pastoral, na nossa universidade... enfim, por onde passarmos.

Que Nossa Senhora de Pentecostes nos ensine a viver segundo o Espírito, para que no cotidiano saibamos responder positivamente ao chamado do Senhor.

Em Cristo,

William Francisco da Silva
Seminarista da Diocese de Caruaru – PE
Coordenador Nacional do Ministério para seminaristas – RCC Brasil

(1) Pe. Dudu – como é mais conhecido – é membro do clero da Arquidiocese de Niterói – RJ. O texto aspirado é retirado de sua obra: “Sacerdotes em Renovação: a missão do sacerdote na Renovação Carismática”. Editora Cenáculo Universal: Rio Bonito, RJ. p. 31. 2011